SUNNY: <b>Ulomma – A Casa da Beleza e outros contos.</b>, São Paulo: Ed. Paulinas, 2006: p. 14.
SUNNY: Ulomma – A Casa da Beleza e outros contos., São Paulo: Ed. Paulinas, 2006: p. 14.
Marca Itan-Adayan
papel_caderno

Trajes: da África ao Brasil - Eixo I: Egito Antigo

Faraó e Rainha

Nesta prancha é importante destacar os aspectos simbólicos da indumentária do Faraó e Rainha. Estes símbolos têm relação com suas crenças religiosas e mitológicas: a coroa branca do Alto Egito Coroa branca_Alto Egito e a coroa vermelha do Baixo Egito coroa_baixo egito são geralmente usadas juntas, pois cada uma significava domínio sobre uma das direções do Egito (norte e sul), sendo norte a deusa serpente Uadjit Symbol of Cobra e o sul, a deusa abutre Nekhbet Symbol of Vulture, o abutre era símbolo da lei e a serpente da ordem. Nas representações póstumas do Faraó, ele usa a coroa Atef coroas, relacionada a figura de Osíris (deus rei dos deuses) morto, rei do Amenti (Paraíso). O Atef significa o poder supremo da vida sobre a morte, nos lembrando que esta faz parte do ciclo vital do ressurgimento de tudo.

Quando morto o Faraó também usava três cetros: o Ankh Symbol of Ankhrepresentando a imortalidade da alma, o Was Symbol of Was Scepter, símbolo de poder e domínio e a coluna de Djed djedsiginificando a espinha dorsal de Osíris e sua estabilidade. A Rainha usava coroas geralmente ligadas a deusas femininas protetoras e signos solares: a coroa de Hator coroa de hator.gifrepresenta os cornos da vaca sagrada, símbolo do amor, da maternidade e da alegria. Outra coroa é a de Maat pena de maat.gif, coroa com pena de avestruz, representando a verdade, justiça e o equilíbrio, pois os egípcios acreditavam que depois de mortos seus atos seriam julgados e pesados numa balança contra a pena de Maat e para que fossem aceitos no Paraíso, o resultado teria de ser a equivalência dos dois pesos.

Não deixe de ver também, Eixo I: Egito Antigo

Prancha Faraó e Rainha - frente e verso:

Faraó e Rainha

 

Faraó e Rainha